Arquivo da tag: Linguística Aplicada

Pós-graduação lato sensu – estrutura, funcionamento, objetivos

É fácil verificar que muitas pessoas confundem os tipos e níveis de cursos e títulos de pós-gradução. Aqui apresento algumas considerações. Há dois tipos de pós-graduação: lato sensu e stricto sensu.

Neste post, apresento algumas questões tomando como base as áreas de Letras, Linguística, Educação e Ciências Humanas em geral. Nas áreas de saúde e ciências exatas, por exemplo, as questões são um pouco diferentes.

A pós-graduação lato sensu é, em geral, mais diretamente voltada para o exercício de atividades profissionais. Neste tipo de curso, o estudante busca aprofundar os seus conhecimentos em uma área, que pode ser um campo da sua graduação ou um outro campo. as formas de ingresso dependem do curso e da instituição. A duração mínima é de 360 horas de aula. Ao final, o aluno apresenta um trabalho final de curso que, na maioria das vezes, é uma monografia ou um artigo. Ao longo do curso que dura aproximadamente um ano (isto depende da carga horária e da estrutura do curso), o aluno cursa sequencialmente uma séria de disciplinas – também chamadas muitas vezes de módulos. A maioria dos cursos concentra-se nos sábados em horários entre 8:00 h e 17:00. No estilo mais comum, as disciplinas são de 36 ou 40 horas, muito frequentemente 4 sábados de aula.

Neste tipo de curso, a titulação dos professores é predominantemente de mestre e doutores. Isto, no entanto, pode ser um pouco diferente dependendo de diversos fatores, inclusive a área acadêmica do curso. Os docentes podem ser da própia instituição ou professores convidados.

As disciplinas são cursadas uma de cada vez na grande maioria dos casos. As universidades tem grande autonomia para a criação de cursos de pós-graduação lato senso. No entanto, em algumas áreas, os Conselhos de Classe têm influência na estrutura do curso.

Em Letras e Educação, os profissionais podem ter quantas especializações quiserem. As especialização oferece um maior aprofundamento em uma área mais delimitada. Um licenciado em Letras pode pretender se especializar em Linguística Aplicada ou Língua Portuguesa, por exemplo. Outra possibilidade é ampliar o campo buscando uma especialização em outra área não estudada na graduação. Um pedagogo pode querem fazer uma especialização em Linguística, já que o campo pode oferecer muitas contribuições para o seu exercício profissional, mas não costuma fazer parte do currículo de graduação.

É importante mencionar que a especialização amplia o campo de trabalho do profissional, mas na maioria dos casos não atribui habilitação profissional. Vejamos um exemplo: se licenciado em Letras cursa uma pós-graduação lato sensu em Pedagogia, ele não vira um pedagogo. Ele é um professor de línguas, com especialização em Pedagogia. Em outras palavras, a habilitação legal é, na maioria dos casos, conferida pelo curso de graduação. Isto depende entre outras coisas da regulamentação da profissão e das exigências legais.

Nas áreas das Ciências Humanas, é comum que os públicos dos cursos sejam bem amplos e interdisciplinares, principalmente das áreas chamadas de áreas próximas. Isto é normalmente apontado pelas instituições que ofecerem os cursos de pós-graduação.

A grade curricular pode variar muito. Assim, não observe apenas o título do curso de especialização, mas verifique os objetivos e as disciplinas. Dois cursos de especialização em Linguística ou Linguística Aplicada  podem ter estruturas e objetivos muito diferentes, que podem ser refletidas na grade curricular e nas formações e áreas de atuação dos docentes.

Caso deseje fazer uma especialização e tenha dúvidas, informe-se com a universidade, com o coordenador do curso e, em alguns casos, com o Conselho de Classe.

Em outro post, traterei da especialização stricto senso.

I Seminário Vozes da Linguística Aplicada – Programação

I Seminário Vozes da Linguística Aplicada

29 de março de 2012
UNIGRANRIO – Duque de Caxias

 

PROGRAMAÇÃO

 

8:30 h – 10:00 h – Lançamento do livro Dinâmicas e Jogos para aulas de Idiomas (Ed. Vozes)

Prof. Solimar Silva

10:00 – Conferência de Abertura:Por uma linguística implicada com a educação: possibilidades de pesquisa na esfera escolar

Professora Dra. Paula Tatianne Carréra Szundy (UFRJ)

11:30 – Intervalo para almoço

13:00 -Sessões de comunicação oral: Possibilidades de pesquisa em Linguística Aplicada – alunos e ex-alunos de graduação, especialização e mestrado da Unigranrio, pesquisadores e convidados externos

Sessão de Comunicações 1 – Leitura e Letramento para/em Contextos Digitais
Coordenação: Prof. Ms. Solimar Silva

Sessão de Comunicações 2 – Texto e Discurso: Abordagens e Perspectivas
Coordenação: Prof. Dr. Márcio Luiz Corrêa Vilaça
15:00 – Encerramento

Realização do Evento:

Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas da UNIGRANRIO

Curso de Graduação em Letras da UNIGRANRIO

Organizadores:

Márcio Luiz Corrêa Vilaça e Solimar Silva

Inscrições:

www.unigranrio.br ( no Link eventos).

 

Seminário Vozes da Linguística Aplicada na UNIGRANRIO

I Seminário Vozes da Linguística Aplicada

29 de março de 2012

Local: Unigrario – Duque de Caxias

O evento contará com a participação de pesquisadores e convidados externos, alunos e ex-alunos de graduação, especialização e mestrado da Unigranrio.

Uma realização do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas da UNIGRANRIO.

Palestrante confirmada: Professora Dra. Paula Tatianne Carréra Szundy (UFRJ)

 

 

IV Congresso Latino-Americano de Formação de Professores de Línguas – IV CLAFPL

IV Congresso Latino-Americano de Formação de Professores de LínguasIV CLAFPL

Local: Universidade de Brasília

Período: 05 a 07 de novembro de 2012

Tema: Fortalecendo Redes Colaborativas de Pesquisas em Linguística Aplicada e Formação de Professores de Línguas

Temáticas dos trabalhos:

1. Letramentos e formação de professores de línguas
2. Identidades de professores de línguas
3. Políticas linguísticas e sua interface com a formação de professores de línguas
4. Educação linguística do professor de línguas
5. Questões curriculares das licenciaturas em Letras
6. Tecnologias digitais /EAD na formação do professor de línguas
7. Parcerias universidade-escola na formação do professor de línguas
8. Avaliação educacional e formação de professores de línguas
9. Questões de ética, cidadania e inclusão na formação docente
10. Cognições e emoções de professores de línguas

Prazo para propostas: 20 de abril

O site ainda não foi informado pelos organizadores.

Detalhes no site da ALAB (Associação de Linguística Aplicada do Brasil)

http://www.alab.org.br/pt/noticias/evento/112-iv-congresso-latino-americano-de-formacao-de-professores-de-linguas

E-book gratuito sobre ensino leitura na era digital

O site do grupo de pesquisa Lingnet – www.lingnet.pro.br – está oferecendo mais um e-book gratuito para download:

Ensino de Leitura: fundamentos, práticas e reflexões para professores da era digital

O livro é organizado por Kátia Tavares do Amaral, Silvia Becher e Cláudio Franco.

Para baixar o livro, basta fazer um breve cadastro na livraria virtual do Lingnet.

http://www.lingnet.pro.br

Não perca tempo !

Boa leitura !

 

Ética em pesquisa em linguística aplicada – Artigo da Celani – Indicação de estudo

Ética é uma palavra bastante comum atualmente na mídia. O seu significado, no entanto, é bastante polissêmico e, por vezes, confuso.

Indico uma sugestão de leitura sobre ética em pesquisa:

CELANI, M. A. A. Questões de ética na pesquisa em Lingüística Aplicada. Linguagem & Ensino, Vol. 8, No. 1, 2005 (101-122)

No artigo, a ilustre pesquisadora, aborda, em linguagem clara, questões importantes sobre ética em pesquisa, sendo de interesse de pesquisadores de diversas áreas, não apenas em linguística aplicada.

 

Motivação e aprendizagem de lingua estrangeira

Sem dúvidas, um fator que tem influência direta na aprendizagem de uma língua estrangeira é a motivação. Por vezes, ela vira a desculpa para dificuldades, abandono de curso, desempenho irregular…

A literatura em linguística aplicada, no campo de ensino de línguas estrangeiras, costuma discutir alguns tipos de motivação.

a) Motivação intrínseca – motivação interna, pessoal de um estudante para querer aprender a língua.

b) Motivação extrínseca – motivação externa, contextual, gerada por elemento contextual

c) motivação integrativa(ou integradora) – ocasionada pelo desejo ou necessidade do estudante de interagir ou conviver com falantes da língua – muitas vezes ela acompanha uma atitude positiva em relação ao povo e à cultura daquela língua

d) motivação instrumental – relacionada à necessidade da língua-alvo como instrumento para  a obtenção de um fim comunicativo ou para a realização de tarefas. Compreende-se que a língua é uma ferramenta necessária.

e) motivação resultante (resultative motivation) – decorrente do sucesso na aprendizagem. Um resultado positivo em termos comunicativos ou de avaliação formal (uma nota boa) pode ampliar a motivação do aluno para a aprendizagem daquela língua.