Posts tagged hospedagem

Lançamento do Joomla 2.5

Esta semana uma nova versão do poderoso CMS Joomla foi lançada. O Joomla 2.5 é uma atualização que oferece novas características. O Joomla – www.joomla.org – adotou uma nova estratégia de lançamentos.  A última versão estável é era o Joomla 1.7, que deixará de ter suporte no próximo mês. A versão 1.5 também deixará de ter suporte para atualizações em breve. Assim, atualizar o sistema para a versão 2.5 deverá ser o movimento natural para a maioria dos sites, até mesmo por questões de segurança.

A nova estratégia pode fazer com que novidades sejam incorporadas ao Joomla mais rapidamente, o que pode ampliar as potencialidades do popular CMS.

Entretanto, o sucesso desta estratégia pode ser afetado caso existam dificuldades de atualização ou incompatibilidade de extensões e templates.  Este é o ponto que merece atenção.  Afinal, não é interessante precisar trocar extensões e temas em curtos intervalos de tempo.

O lançamento da tão aguardada versão 1.6 no ano passado gerou certa insatisfação por não ser tão simples a atualização a partir da versão 1.5. Como consequência, muitos sites permaneceram na versão 1.5 do Joomla (que ainda tem suporte de atualizações) por causa da grande quantidade de extensões e temas compatíveis.

Particularmente aguardarei mais alguns dias antes de atualizar meus sites para o Joomla 2.5 para ter mais segurança de que os templates e extensões funcionem bem.

Muitos sites de congressos, de departamentos de universidades, de grupos de pesquisa e de programas de pós-graduação são feitos em Joomla.

Como fazer backup de sites – algumas formas e dicas

Backups são sempre importantes. Isto também é importante para sites. Serviços gratuitos geralemente não oferecem opções de backup. Além disso, eles muitas vezes no termo de uso isentam-se de responsabilidades de backup e permanência do serviço. Assim, seu site pode ficar online e você não ter condição de fazer a transferência para outro serviço ou provedor.

Provedores comerciais – as empresas de hospedagem de sites – oferecem opções de backup. Neste caso, é bom verificar as características de backups oferecidas pela empresa. Algumas realizam backups semanais outras diários, logicamente sendo os diários mais seguros.

Imagine que o seu site passe por um problema, ao entrar em contato com a empresa, você pode se informar qual o último backup que eles realizaram e, dependendo do caso, solicitar restauração. Se o backup for antigo, muitos conteúdos não poderão ser recuperados. Algumas empresas de hospedagem cobram pela recuperação do backup. É bom se informar também neste sentido, principalmente se o problema for causado pelo servidor. Ou seja, não foi causado por você.

Pensemos aqui em sites dinâmicos que podem ter centenas ou milhares de páginas, com conteúdos diversos, usuários cadastrados… Perder o site é um grande transtorno e pode ter várias consequências. O backup de sites dinâmicos é mais complexo que o backup de poucos arquivos de um site estático.

Vejamos algumas formas de backup:

a) backup geral da conta – O Painel de Controle da sua conta de hospedagem pode oferecer uma opção abrangente de backup de toda a sua conta de hospedagem. Neste caso, você realiza um backup total, gerando um arquivo grande (dependendo da sua conta de hospedagem), que pode ser empregado para recuperar o site.  Este tipo de backup é bastante volumoso e pode afetar o desempenho do seu site. Assim, dê preferência a horários de menor movimento.

b) backup de banco de dados – No painel de controle da sua conta de hospedagem você pode realizar, na maioria das vezes, o backup do seu banco de dados, muito importante para instalações de sites dinâmicos.

c) backup dos arquivos via FTP – Usando um programa de FTP, você pode fazer o download dos arquivos do seu site. O Filezilla é um FTP gratuito muito empregado.

Dependendo das características do seu site, a recuperação depende dos arquivos baixados pelo FTP e do backup do banco de dados. Sem o banco de dados, o site não funcionará. Isto depende do sistema.

c) Backups por ferramentas do sistema do site (backup interno) – Este tipo de backup é feito por ferramentas ou extensões internas ao sistema empregado no seu site.  Em alguns casos, o  arquivo de backup pode ser baixado pelo sistema (do backend). Em outros, eles devem ser baixados por FTP.

Vejamos alguns casos:

Moodle – há uma funcionalidade de backup interno – tanto para cursos específicos como backups mais abrangentes. É possível programar para que os backups sejam feitos automaticamente.

Joomla – A extensão Akeeba Backup é a referência de backup no sistema, sendo uma das indicações dos autores.

WordPress – o sistema permite exportar conteúdos. Além disso, há plugins que prometem fazer backups.

Em síntese, há diferentes formas de backups, que dependem das características e dos sistemas dos sites, além da forma de hospedagem. Verifique atentamente estas questões com o seu provedor, inclusive a periodicidade e possíveis custos, e estude as formas de backup possíveis para o seu site.

Planeje uma rotina e procedimentos de backup para o seu site. Afinal, problemas podem ocorrer.

As formas e custos de backups e restaurações podem ser um aspecto importante a avaliar na escolha de um provedor de hospedagem e no sistema de site empregado.

Estude bem as formas possiveis de backup do seu site para não ver o seu trabalho ser perdido em caso de problemas.

Computação nas nuvens – cloud computing – um conceito e uma tendência em fortalecimento

O termo computação nas nuvens , do inglês cloud computing, tem sido crescentemente empregado, certamente gerando curiosidade e dúvidas. A nuvem, na verdade, é uma metáfora para indicar que os arquivos e sistemas podem ser visto e acessados de diferentes formas e em certa oposição ao uso de um computador específico.  Assim, os arquivo e programas podem ficar disponível “o tempo todo” (desde que haja acesso a internet), sem necessidade de uma mídia física ou de um computador específico.

Os usos mais comuns para o termo computação nas nuvens são:

a) Hospedagem de sites – com características mais flexíveis de espaço, disponibilidade e poder de armazenamento e processamento. Muitos provedores de hospedagem hoje oferecem planos chamados de cloud computing. Em geral, o cliente escolhe uma configuração de processador, memória RAM e espaço em disco. Conforme as necessidades, ele pode ampliar  o poder do plano para atender à demanda do site ou do sistema hospedado. É uma hospedagem mais cara que a compartilhada, porém mais barata que o servidor dedicado.

b) Arquivos e backups online – Neste caso, o usuário pode salvar arquivos online, empregando a nuvem computacional como área de backup ou para uso direto do computador. Os arquivo não dependeriam de pen drives, disco rígido ou outra mídia. Eles fica(ria)m online o tempo todo. Sem dúvidas, uma possibilidade bastante interessante, mas que pode apresentar riscos.

Particularmente considero sempre bom ter os arquivos em mídias físicas como pen drives e discos rígidos.

Muita atenção ao uso deste tipo de sistema e aos termos de uso dos provedores deste tipo de serviço! Também é preciso muito cuidado em relação à segurança. Além disso, podemos precisar do arquivo quando não estamos com internet disponível ou quando ela está problemática.

c) softwares online – neste caso podemos usar vários tipos de softwares diretamente na internet. O computador vira um dispositivo de acesso ao software que se encontra online.

Espero ter ajudado um pouco!

Depois retornarei a este assunto.

Ataques hackers: reflexões são necessárias

Os ataques a sites governamentais devem despertar uma série de discussões, que devem incluir questões relativas à segurança de sistemas, privacidade, computação nas nuvens, senhas inseguras, práticas imprudentes de navegação, entre outras, mas não pode esquecer o domínio de registros.

Logicamente os ataques de hackers não foram os primeiros e não serão os últimos. Os objetivos podem ser variados, inclusive ideológicos e econômicos. Nos sites especializados em informática, é possível encontrar notícias de hackers contrados e de questões éticas e políticas relativas a estas contratações.

Não há como fugir da internet. É necessário, no entanto, procurar formas que aumentem a segurança e a privacidade dos sistemas e dos usuários. As discussões são extensas, e não podem ficar “debaixo do tapete”. A Sociedade precisa participar deste processo.

A universalização de acesso a internet deve ser acompanhado da conscientização e devida formação de uma cultura digital, que preserve a privacidade,  possibilite clareza na compreensão de direitos, deveres e responsabilidades de provedores de acesso, provedores de conteúdos e usuários.

Inicialmente um dos temas que atrairá muitas discussões é a computação nas nuvens. Se já não havia um consenso, agora as discussões devem esquentar um pouco mais no Brasil.

A razão para isto é simples. Muitas vezes ataques desta natureza pareciam apenas para grandes empresas multinacionais e para outros países, especialmente os Estados Unidos.  Os ataques no Brasil ganharam um “tom” de provocação ou de alerta grave. A proximidade da Copa e das Olimpíadas deve contribuir para aumentar as preocupações e, consequentemente, os investimentos na prevenção.

Políticas de incentivo à aquisição de softwares originais, assim como já existem para computadores, seriam uma medida interessante. Afinal, softwares piratas e desatualizados aumentam os riscos tanto para os usuários quanto para a formação de redes de computadores zumbis.  Esta discussão, no entanto, pode ficar para um outro post.

 

 

 

 

Webdesign – dicas de livros de design para web

Gostaria de ter um site? Curiosidades sobre internet? Como hospedar um site? Estes temas são tratados no Ensino Atual. Um rápido passeio pelas nossas categorias no menu lateral ajudará a encontrar conteúdos sobre internet e tecnologia.

Para aqueles que gostam de internet e têm ou pretendem ter seu próprio site, sugiro alguns livros de webdesign. São livros com linguagem simples que ajudam a entender como funcionam sites, como planejá-los e, lógico, princípios de design, usabilidade e desenvolvimento para web. Em posts futuros, tratarei de alguns princípios de design para web. Conhecimentos desta natureza apresentam várias útilidades, até mesmo para elaboração de materiais didáticos, design impresso, uso de serviços web e redes sociais. 

Exemplos de dúvidas comuns:

Quais as diferenças entre gif e jpeg? ; O que é usabilidade? ; O que pode evitar que um site fique lento? ; Há diferenças entre leitura na tela do monitor e no papel? O que é necessário para criar um site simples?; Webdesigner ou webmaster?  O que é arquitetura de informação? O que é design de interação? Como planejar menus e interfaces de navegação?

Algumas sugestões:

Webdesign para não-designers – Robin Williams & John Tollet – Editora Ciência Moderna

Design para a internet – projetando a experiência perfeita – Felipe Memória – Campus

Use a cabeça Webdesign – de Ethan Watrall & Jeff Siatro – O’ Reilly/Altabooks

Princípios do web design maravilhoso – Jason Beaird – Altabools

Webdesign: teoria e prática –  Danielle Damasceno – Visual Books

Design para Webdesigers: princípios de design para a web – Wellington Carrion – Brasport

Volte sempre e divulgue o Ensino Atual.

Sites Dinâmicos e Sites Estáticos: o que são

Sites básicos ( baseados em HTML, CSS, Flash e Javascript) podem ter designs surpreendentes, mas perdem, em geral, em fucionalidades. Eles são geralmente chamados de sites estáticos. Algumas funcionalidades são muitas vezes acrescentadas com serviços de terceiros, tais como formulários, murais e busca. Para atualizar o site, o reponsável ou o webdesign precisa editar os arquivos html e css e, depois, enviá-los para o servidor. O webdesigner usa geralmente programas de edição de HTML para trabalhar no design. Outro programa importante é o FTP ( File Transfer Protocol), que transfere – faz o upload- dos arquivos HTML, Flash, CSS, imagen e outros para o servidor.

Muitas pessoas que gostariam de ter site se assustam com a idéia de trabalhar com os códigos em html e o css. Há duas opções comuns: escrever os códigos ( o que pode ser feito em editores de textos) e criar o design  com um editor WYSIWYG ( What You See Is What You Get – O que você vê é o que você tem) . No segundo caso,  com um editor WYSIWYG, o usuário cria o design arrastando, soltando e inserindo recursos, botões, tabelas, imagens,animações. enquanto o editor gera código. Conforme o site vai sendo desenhado, ele deve ser testado em diferentes navegadores. Em síntese, você desenha, ele escreve o código que permite que os navegadores reproduzam o seu desenho. 

Embora uma forma melhor de acessibilidade seja o design em CSS ( Cascading Styles Sheets – Folhas de estilo em cascata), sem tabelas, muitas pessoas desenvolvem site com tabelas para a organização dos conteúdos. Em posti futuro retornarei ao CSS.

Sites dinâmicos possibilitam rica interação entre o site e seus visitantes, que incluem recursos como fóruns, enquetes, blogs, acesso a áreas restritas por login e outros. O administrador do site tem maior controle sobre o site e sobre como inserir e excluir funcionalidades. Sites dinâmicos exigem linguagens dinâmicas de programação ( PHP, ASP.net, ASP, Jsp, por exemplo) e a acesso a banco de dados( MySql, por exemplo).  Torna-se, portanto, necessário programar. Mesmo um site dinâmico simples exige horas de programação e teste, o que representa necessidade de maior investimento de tempo e dinheiro. Os sites dinâmicos também podem conter animações e banners em flash, e designs bonitos e sofisticados, como os estáticos, mas estão além disso.  Com estas características, sites dinâmicos pareceme star destinado apenas a programadores, geeks, empresas e pessoas dispostas a investir muito dinheiro em seus sites. 

Sites dinânicos dependem também de design, como no caso dos estáticos. As linguagens de programação atuam principalmente na integração do site com o banco de dados.

 Na verdade, a realidade, felizmente pode ser diferente. Veremos em post futuro, no entanto, que há formas de simplificar a criação de sites dinâmicos com sistemas CMS ( Content Management System), sendo possível reduzir significativamente os custos e o tempo de desenvolvimento e atualização do site. Não pense, portanto, que um site dinânico seja algo fora do seu alcançe. Esta discussão fica para outro post. 

Aguarde.

Escolhendo um serviço de hospedagem de sites II

Algumas questões básicas na escolha de um serviço de hospedagem são:

a) espaço disponível – armazenamento – ( em MB ou GB) – atualmente os espaços são bem mais generosos que no passado

b) linguagem dinâmica de programação aceita – PHP ou ASP.NET, por exemplo

c) franquia de uso/taxa de transferência ( em GB) – inclui a visitação, os downloads, ou uploads, as atualizações do site, os backups, entre outras possibilidades. Todo acesso gera consumo de franquia(download). Cuidado com os custos caso o limite em contrato seja ultrapassado. Alguns provedores de hospedagem informam o responsável com antecedencia, por e-mail, quando o limite está próximo de ser atingido.

d) banco de dados – MYSQL, PostgreSQL, SQL Server, entre outros – duas informações importantes: limite de quantidade de bancos (5 bancos de dados, por exemplo) e limite de tamanho de bancos (250 Mb por banco, por exemplo).

Se o limite de tamanho do banco de dados for pequeno, o site ou parte do site que precise dele poderá ficar saturado rapidamente, dependendo, é claro. do tipo e do fluxo de uso.  Muitos sites simples ( baseados em HTML, FLASH, CSS, Javascript) não precisam de bancos de dados.

Blogs, AVAs, Portais, Chats, Fóruns, entre outros, precisam de banco de dados. Dependendo do uso e da quantidade de membros, o banco de dados requer um bom espaço. Se possível escolha um com um limite de tamanho baste amplo.

Um exemplo: Se você quer ter um blog, pouco adianta ter uma espaço gigantesco em disco(para armazenamento), se o tamanho do banco de dados ou a franquia(limite de transferência) forem muito limitados (60 Mb, por exemplo).

e) e-mail – espaço e limite de número de contas – muitos serviços incluem o consumo dos e-mails com o do espaço da hospedagem e da franquia. Cuidado se for usar muito o e-mail, especialmente em muitas contas. Se está começando, evite criar ou distribuir contas de e-mail. Além da responsabilidade pelas contas, isto poderá consumir muito armazenamento do site e, dependendo do plano,  e franquia.

f) instalador de aplicativos – Muitos serviços oferecem instaladores de aplicativos (blog, fórum, chat, classificados, CMS …) de forma simplificada

g) forma de suporte – Formulario, chat, blog, fóruns, telefone, são alguns exemplos

h) backup – Muitos servidores fazem backups periódicos e podem restaurar sites em caso de panes graves

i) limitações de quantidade de domínios e subdomínios

POSTS ANTERIORES RELACIONADOS:

Escolhendo um serviço de hospedagem de sites – Leia aqui.

Design e hospedagem de sites: Introdução – Leia aqui

Escolhendo um serviço de hospedagem de sites

Dando continuidade à questão da hospedagem de site, trato neste post de cuidados iniciais na escolha de serviços comerciais de hospedagem.

Escolher um serviço de hospedagem de site requer alguns cuidados. O usuário deve:

a) conhecer os recursos que ele precisa ou pode precisar num futuro breve

b) conhecer os serviços e características dos planos de hospedagem

c) saber os custos de serviços adicionais que não estejam incluidos no plano ou que exceda o limite do plano

d) buscar informações sobre a qualidade dos serviços das empresas comerciais, com atenção espacial ao suporte ao cliente.

Referências  e consultas a foruns e sites especializados podem auxiliar.  O preço não deve ser o maior atrativo.

Transferir um domínio não é uma tarefa tão simples e rápida. Há carências para a transferência de domínios. A necessidade de uso de serviços adicionais ou excedentes(espaço, franquia, banco de dados) por fazer com que o custo da hospedagem possa apresentar grande aumento.

Obviamente acidentes de percurso podem acontecer.  Um serviço pode ser excelente  e passar por momentos de adversidades. Assim como aparelhos eletrônicos e carros, sempre vai ter alguém descontente ou que reclama porque comprou a coisa errada, incompatível com as necessidades ou com os desejos.

Retornando ao ponto inicial, é preciso prever necessidades e características do site. Para alguém muito iniciante,  é bom ter uma ajuda.

Os serviços de hospedagem costumam explicar os recursos, as características e as capacidades oferecidas.

Não contrate um serviço no impulso ou apenas pelo preço baixo. Alguns detalhes são fundamentais.

Em vários posts, questões diversas serão abordadas.

Comentários com propagandas de serviçoes de hospedagem não serão aprovados.

Go to Top