Arquivo da tag: Educação

Expressões latinas em monografias, artigos e trabalhos acadêmicos

Algumas expressões latinas e suas abreviações que são encontradas em trabalhos acadêmicos e científicos.

ad referendum – pendente de aprovação, para aprovação

anno domini -(AD) ano do Senhor

a posteriore – depois, em seguida

a priori– de antemão, antecipadamente

apud – citado por

ad hoc – para isto, para fim específico, sob encomenda

et alii (et al)- e outros – para obras de mais de 3 autores

exempli gratia – e.g – exemplo, por exemplo

fac simile – reprodução (literal, fiel, exata)

in – em – na obra de…. – Geralmente para artigos ou capitulos de um autor dentro da obra de outro autor

ipsis literisliteral, com as mesmas palavras

lato sensu – sentido amplo, irrestrito, geral – para cursos de pós-graduação de especialização

loco citato – loc.cit -local citado

modus operandi modo de comum de trabalho, modo de operação

opus – obra (muito empregado em música)

opus citatum – op. cit – – obra citada anteriormente

Post scriptum – P.S.  depois de escrito

sine loco – s.l – sem indicação de local (de publicação)

stricto sensu sentido estrito, sentido limitado – para cursos de pós-graduação de Mestrado e Doutorado

Algumas destas expressões são empregadas em citações bibliográficas, indicação de fontes e referências.

Ensino Monológico e Ensino Dialógico – O que são ? – Artigo

O que é ensino monológico? O que é ensino dialógico?

      A visão monológica ou tradicional(termo amplamente usado por profissionais e   leigos) de ensino entende o professor como o único possuidor de todo o conhecimento que deverá ser passado, transmitido, transferido para o aluno. Isto ocorre geralmente de forma unidirecional, ou seja, o aluno é passivo e o fluxo de informação vai descendentemente do professor para o aluno. Nesta visão a situação típica na sala de aula é a aula centrada no professor, onde o aluno tem pouca oportunidade de interagir, com pouquíssimas chances de ter iniciativa ou de contribuir para a aprendizagem(Van Lier,1994). Não há construção de conhecimento. O conhecimento é apresentado ao aluno de forma acabada, inalterável. Essa visão tradicional de ensino se enquadra nos modelos pedagógicos de Imitação e Exposição, descritos por Bruner(1996). No primeiro o aluno apenas deve imitar os comportamentos do professor, no segundo, o aluno recebe informações de forma monológica que ele deve acumular, sem nenhum tipo de participação ativa.

              Devido a vários problemas decorrentes da visão de ensino apresentada acima, há professores que procuram adotar uma visão dialógica de ensino que advém das teorias de Bakhtin, Vygotsky e dos neo-vygotskianos. Na visão dialógica, o conhecimento e o significado são construídos socialmente na interação com o outro(Cestari,1994; Moita Lopes,1996; Vygotsky,1998; Bakhtin, 1997). 

            Este processo interacional ocorre através do diálogo entre os agentes sociais (professores e alunos). Para Marková(1990:1), o diálogo, como forma de interação social, está sempre inserido num determinado contexto sócio-histórico, sendo altamente dinâmico. Desta forma, faz-se necessário considerarmos vários presentes na interação social: aspectos culturais, institucionais e relações de poder.

Monologismo e Dialogismo

Leia o artigo na íntegra:

VILAÇA, Márcio. L. C. O Poder do Professor como Elemento de Desconstrução do Conhecimento In: MONTEIRO, Maria J. P e BARBOSA, Heloísa G. (orgs) Caderno de Letras 21. Interação em Mídia e Sala de Aula. Faculdade de Letras, UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.

LEIA O ARTIGO – DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD.

Livro: Desafios da Práxis Educacional à Promoção Humana na Contemporaneidade

Alguns dos autores dos textos na noite de autógrafos.

LANÇAMENTO DO LIVRO

Na último dia 25, O Programa de Mestrado em Letras e Ciências Humanas da UNIGRANRIO promoveu o lançamento do livro Desafios da Práxis Educacional à Promoção Humana na Contemporaneidade, organizado pelos Professores Doutores José Geraldo da Rocha e Cristina Novikoff.

O livro, que aborda temáticas atuais da Educação sob diferentes perspectivas, foi escrito por professores do Programa de Mestrado, professores da UNIGRANRIO e de outras Universidades. O livro conta ainda com artigos de alguns alunos do Mestrado.

Alguns dos autores dos artigos são: Andréa Lopes da Costa Vieira, Ângela Maria Roberti Martins, Cristina Novikoff, Idemburgo Frazão, Jacqueline de Cássia Pinheiro Lima, Jurema Rosa Lopes, José Geraldo da Rocha, Obertal Xavier Ribeiro, Robson Dutra e Vera Kauss.

O livro contou com o Apoio à Editoração, concedido pela FAPERJ.

No lançamento, os organizadores falaram sobre os desafios e as motivações do livro.

Na foto, da esquerda para a direita do leitor, Jurema Rosa, Cristina Novikoff(organizadora do livro), Jacqueline Lima ( coordenadora do Mestrado em Letras e Ciências Humanas),  Ângela Roberti, Vera Kauss e Geraldo da Rocha (organizador do livro). Todos professores do Mestrado em Letras e Ciências Humanas.

Linguagem Acadêmica em Monografias

Como sabemos, o uso da lingua sofre variações de acordo com uma diversidades de fatores. Esta é a discussão de variações linguísticas, tema que se popularizou e atraiu grande atenção nos últimos anos, especialmente de sociolinguistas. Um texto escrito é diferente do oral. O texto acadêmico é diferente de um texto de uma carta. Uma mensagem em um chat é diferente de uma mensagem por e-mail. Muitos fatores contribuem para as variações linguísticas, como por exemplo o nível de instrução, a idade, a profissão, questões sociais e economicas, contexto de uso, propósito do uso da língua.

Durante a elaboração de uma monografia, muitos estudantes se deparam com um problema classico, independente da área de estudo: a redação do texto monográfico. Com razoável frequência, é comum que estudantes transcrevam na modalidade escrita um texto com características de um texto oral. O texto escrito tende a ser mais objetivo, com maior nível de subordinação e menor repetição vocabular.

Um exemplo:

Oral: Ele é professor. Dá aula de língua inglesa. Ele trabalha em escolas. Em várias. As escolas ficam na Baixada Fluminense. Mora no na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Escrito: Embora more no Rio de Janeiro, ele trabalha como professor de língua inglesa em várias escolas na Baixada Fluminense.

Outro erro comum é o nível de formalidade linguística. É comum observar uma escrita informal para o contexto acadêmico, em especial para um trabalho de conclusão de curso, seja este monografia, dissertação ou tese.

Exemplo:

Este trabalho uma visão geral sobre esta forma de pesquisa.

Melhor seria: Este trabalho oferece/proporciona uma visão geral sobre esta abordagem de pesquisa. 

Dependendo do contexto, o adjetivo geral poderia ser substituido por abrangente.

O estudante deve pesquisar artigos, trabalhos, monografias, dissertações e teses na sua área de estudo como modelo de linguagem.  A proximidade entre a áreas de leitura e a de elaboração de tabalho é importante, uma vez que o que pode ser comum ou aceitável em uma área pode não ser em outra.  O texto acadêmico tende a apresentar vocabulário específico pertinente à área ou especificidades de significações de certos termos.

Na área de Educação, por exemplo, o termo treinamento tem sido visto de forma negativa. assim, muitos pesquisadores preferem formação de professores a treinamento de professores, embora os dois conceitos possam se referir a procedimentos e processos diferentes.

Em tempo:

Em Post anterior foram apresentadas algumas orientação sobre a escolha do tema para monografia, mas, em breve, voltarei a tocar no assunto.

Lançamento: Desafios da Práxis Educacional à Promoção Humana na Contemporaneidade

Desafios da Práxis Educacional à Promoção Humana
Livro organizado por José Geraldo da Rocha e Cristina Novikoff

Na próximo dia 25, O Programa de Mestrado em Letras e Ciências Humanas da UNIGRANRIO promoverá o lançamento do livro Desafios da Práxis Educacional à Promoção Humana na Contemporaneidade, organizado pelos Professores Doutores José Geraldo da Rocha e Cristina Novikoff. O livro que aborda temáticas atuais da Educação sob diferentes perspectivas foi escrito por professores do Programa, professores da UNIGRANRIO e de outras Universidades. O livro conta ainda com artigos de alguns alunos do Mestrado.

Alguns dos autores dos artigos são: Andréa Lopes da Costa Vieira, Ângela Maria Roberti Martins, Cristina Novikoff, Idemburgo Frazão, Jacqueline de Cássia Pinheiro Lima, Jurema Rosa Lopes, José Geraldo da Rocha, Obertal Xavier Ribeiro, Robson Dutra e Vera Kauss.

O livro contou com o Apoio à Editoração, concedido pela FAPERJ.

O lançamento acontecerá no dia 25 de maio, às 18;30, no Campus I da UNIGRANRIO, em Duque de Caxias no evento “Produzindo e dialogando a Educação”, do Curso de Pedagogia, promovido pela Escola de Educação, Ciências, Letras, Artes e Humanidades da UNIGRANRIO.

A obra, de natureza interdisciplinar, conta com artigos escritos por pesquisadores de áreas diversas, tais como Educação, História, Teologia, Linguística Aplicada, Literaturas…

         A proposta de elaboração da publicação “Desafios da Práxis Educacional à Promoção Humana na Contemporaneidade” nasceu a partir da proposição do Curso de Mestrado em Letras e Ciências Humanas, na Unigranrio, em 2008. A intenção da obra foi reunir um pouco da riqueza e da diversidade das vivências acadêmicas de um corpo docente atento às questões humanas, em especial, às que afetam os grupos sociais, em sua maioria, minimizado e denominado minoritário, em razão de políticas excludentes.(…) 

a obra discute diferentes vivências na trajetória acadêmica de docentes, como desafios das práxis educacionais em prol da promoção humana na contemporaneidade, dando visibilidade às inquietações dos professores frente à multiculturalidade e as novas tecnologias emergentes. Quanto aos seus destinatários, a obra é voltada para todos aqueles que entendem e acreditam na educação como instrumento de promoção humana.

 “Independentemente do setor em que atuamos na educação, o desafio de desenvolver nossas ações numa perspectiva humanizante está posto cotidianamente a cada um de nós”.  – Cristina Novikoff

 

Outras informações sobre o livro no site da UNIGRANRIO ( http://noticias.unigranrio.edu.br/blog/2010/05/14/unigranrio-lanca-livro-sobre-educacao-durante-evento-de-pedagogia/ )

       O Mestrado Interdisciplinar em Letras e Ciências Humanas destina-se à   formação de pessoal qualificado para o exercício das atividades de pesquisa e magistério superior, cuja área de atuação privilegie as questões emergentes vinculadas ao discurso, à cultura e à formação humana, contribuindo para o desenvolvimento científico e para o aperfeiçoamento educacional e cultural da região em que está inserido.

Para informações sobre o Mestrado em Letras e Ciências Humanas da UNIGRANRIO, visite : http://www.unigranrio.br/unidades_adm/pro_reitorias/propep/stricto_sensu/cursos/mestrado/letras_ciencias_humanas/index.html

Informações: (21) 2672-7715.

Wikipedia – Criação de Livros – Opinião

O recurso de criação de livros em PDF- comentado nas postagens anteriores – é bastante interessante e útil.

Os “livros” criados com o recurso poderão colaborar com a Educação Presencial e com a Educação a Distância (EaD). É sempre bom apontar que a qualidade dos artigos representa um aspecto delicado, uma vez que podem ser escritos e editados por qualquer pessoa.

Legibilidade: O arquivo é de boa legibilidade, com espaçamento de 1.5. A fonte usada é Times.

Imagens: as imagens permaneceram com as cores originais, em boa resolução.

A ferramenta não permite incluir a indicação de quem organizou a seleção dos conteúdos. No teste realizado, também não foi possível escolher tamanho de páginas, fonte, espaçamento, cabeçalhos e conteúdos.  Também não foi possível fazer nenhuma inclusão de imagem para capa.

É possível que estes recursos sejam adicionados no futuro. Isto dependerá da aceitação do recurso e de possíveis questões de direitos autorais.  

Seria muito interessante se o recurso permitisse selecionar parcialmente os verbetes ( Por exemplo quais parágrafos ou seções incluir e quais deixar de fora) ou editar o texto – como uma espécie de arquivo temporário – para a seleção. 

É possível imaginar que ferramentas e plugins similares sejam integrados a sites ( mais provavelmente em CMS como Joomla, Drupal e outros)  e blogs (como o WordPress, por exemplo). O Joomla já permite- com ferramentas adicionais- que artigos indivíduais sejam salvos em PDF. No entanto, desconheço ferramenta que permita algo similar ao que a ferramenta da Wikipedia oferece.

Sem dúvida questões de direitos autorais podem gerar discussões e questionamentos. É bom lembrar que as legislações sobre direitos autorais são diferentes de país para país.

No  Brasil, por exemplo, as novas tecnologias, a internet, e dificuldades para a preservação de obras raras e esgotadas têm gerado um movimento que deseja alteração da lei atual. O Brasil deverá lançar consulta pública sobre o assunto (O Estado de São Paulo – Caderno Link – 3 de maio de 2010).

É esperar um pouco para ver os avanços do recurso. Com a velocidade atual da tecnologia, certamente não será necessario esperar muito.