Pesquisas de natureza aplicada muitas vezes não são bem compreendidas por estudantes. É comum que, para “enriquecer” a proposta de pesquisa, muitos objetivos sejam anunciados, o que tende a inviabilizar a pesquisa. Em post futura, tratarei de objetivos de pesquisa. No entanto, a maior dificuldade para o iniciante é identificar a metodologia de pesquisa adequada para a coleta de dados. É preciso ter sempre em mente que a metodologia possibilita coletar dados que possibilitarão atingir o seu objetivo e ”identificar” respostas para as perguntas de pesquisa.  Convém mencionar que é comum a confunsão entre inquietações e questionamentos amplos com perguntas de pesquisa. Isto também, merece, discussão em outro post.

Afinal, o que é uma pesquisa aplicada?   

VILAÇA, M. L. C.  Pesquisa e Ensino: Considerações e Reflexões Revista E-scrita. Volume 1. Número 2. Maio-Agosto de 2010. 

LEIA O ARTIGO - DISPONÍVEL PARA LEITURA

De acordo com Barros e Lehfeld (2000, p. 78), a pesquisa aplicada tem como motivação a necessidade de produzir conhecimento para aplicação de seus resultados, com o objetivo de “contribuir para fins práticos, visando à solução mais ou menos imediata do problema encontrado na realidade”.  Appolinário (2004, p. 152) salienta que pesquisas aplicadas têm o objetivo de “resolver problemas ou necessidades concretas e imediatas.”

As pesquisas aplicadas dependem de dados que podem ser coletados de formas diferenciadas, tais como pesquisas em laboratórios, pesquisa de campo, entrevistas, gravações em áudio e / ou vídeo, diários, questionários, formulários, análise de documentos etc (NUNAN, 1997; MICHEL, 2005; OLIVEIRA, 2007). Ao contrário da pesquisa teórica, investigações de natureza aplicada apresentam complexidades metodológicas e éticas muito mais complexas. Devido a estas questões, as práticas de pesquisas aplicadas estão mais frequentemente associadas ao ensino superior e à pós-graduação.

Na maioria dos casos, as pesquisas aplicadas exigem e partem de estudos teóricos. Na Academia poucos são os casos de pesquisas de campo que não estejam fundamentadas ou discutidas com base na literatura existente. A teoria não deve, portanto, ser considerada como aspecto restrito às pesquisas bibliográficas. Na sua estruturação mais comum, uma pesquisa aplicada apresenta: a) fundamentação teórica; b) metodologia de pesquisa; c) Análise e discussão dos dados.  Neste caso, a fundamentação teórica serve, entre outras possibilidades, de referencial para a análise dos dados, dados estes que foram coletados por meio de uma metodologia compatível com os objetivos de pesquisa e as características do objeto de estudo e do contexto de investigação (NUNAN, 1997).

                                                                                                                                                                                              (VILAÇA, 2010, p. 64-65)