Muitos estudantes desconhecem ou se confundem no uso do apud na redação de trabalhos acadêmicos.

O apud indica que um autor é citado através de um comentário ou uma citação mediada por outro autor(uma terceira pessoa).

Bakhtin, por exemplo, é um autor muito discutido atualmente. Há vários livros que abordam a vida, as obras e os conceitos do autor.  Bakhtin é citado em muitos trabalhos de monografia, dissertação e tese. O mesmo ocorre, por exemplo, com Vigotski, Piaget, Saussure e Chomsky. Há casos de trabalhos abordam as teorias destes autores, sem que os mesmos sejam lidos. Em outras palavras, o autor não é lido, mas alguém que fala dele.

Há vários livros que visam facilitar a compreensão deste autores. Estas publicações deve ser estudadas. No entanto, elas não devem substituir a leitura dos originais, em especial quando estes autores são autores centrais em trabalhos monográficos e artigos.

O autor de um trabalho monográfico ou artigo deve ter cuidado na forma de citação.

Vejamos um exemplo:

Para Oxford (1990 apud Nunan, 1995), as estratégias de aprendizagem promovem a autonomia. 

Na verdade,  de acordo com a citação acima, Oxford (1990) não foi lida, mas Nunan (1995). Nunan, no exemplo hipotético, fala de Nunan. A leitura não é direta, mas mediada por um outro autor (Nunan, neste caso).

Apud = citado por

Vejamos agora outro exemplo hipotético:

Para Oxford (1990), as estratégias de aprendizagem promovem a autonomia. 

Neste caso, a forma de citação indica que Oxford foi lida.

O apud, especialmente o uso excessivo dele, deve ser evitado por ser uma leitura indireta, influenciada pela leitura de outra pessoa. Se o autor citado é importante e sua obra está acessível, a obra original deve ser lida.

Mesmo quando a citação não é literal, o apud deve ser empregado, indicando que a leitura foi mediada. A leitura do outro autor pode apresentar imprecisões e/ou influências de naturezas diversas.

trabalho acadêmico – escrita científica – citação – referências bibliográficas – leitura indireta – biografias