Os tablets, o Flash e a Educação

Os lançamentos de tablets este ano poderão ajudar a compreender o papel que estes devem desempenhar em diferentes contextos, inclusive educacionais.

Bem, é fato que muito barulho tem sido feito em torno deles. Eles são muitas vezes empregados como um sinal de modernidade e status.

No campo educacional, os tablets não podem ser ignorados. Eles poderão ser usados como suporte para materiais didáticos digitais e para acesso a ambientes virtuais de aprendizagem. Isto, entrento, deverá depender de alguns fatores que incluem: preço, durabilidade, capacidade de armazenamento, poder de expansão e convergência com outros dispositivos digitais. O custo de conexões 3G também merece destaque, mas tratarei disto em outro post.

A capacidade de rodar Flash pode ser considerado outro fator importante. Muitos sites(possivelmente a maioria) usam a tecnologia para animações, interatividade, propagandas, questionários… Este também é de forte presença em materiais digitais, até mesmo por seu caráter abrangente, podendo ser executado em computadores e alguns modelos de smartphones e tablets. Observe que, em muitos casos, a capacidade de “rodar Flash” é destacada entre as características dos dispositivos. Motivo? A sua intensa presença, conforme já apontado.

Programar ou desenhar ou converter materiais para diferentes dispositivos ou sistemas pode ser caro e complexo.  Restringir materiais a este ou aquele dispositivo pode não colabora para a portabilidade, a mobilidade e a flexibilidade.

Para a educação, não é conveniente que os estudantes precisem ter modelos específicos de tablets, com este ou aquele sistema operacional. A capacidade de acesso à ambientes de aprendizagem e materiais didáticos deve ser fácil e abrangente. Este é o motivo pelo qual o Flash, da Adobe, tem sido tão usado em e-learning.

Há diversas opções comerciais de software para desenvolvimento de conteúdos em Flash, além dos poderosos Flash e Captivate da própria Adobe. Algumas opções mais simples e econômicas são: Koolmoves, Firestarter, Swishmax, Sothink SWF Quicker. Há também softwares de conversão de Power Point para Flash, softwares de gravação de telas, ferramentas de autoria de e-learning e programas para a produção de Quiz e Survey.

Em síntese, o suporte a Flash pode auxiliar na definição dos papéis dos tablets em práticas educacionais. Possivelmente o próximo possibilitará compreender melhor estas questões, já que o acesso aos tablets deve ser significativamente ampliado pela maior diversidade de modelos, o que certamente aumentará a concorrência entre as marcas e diminuição dos preços.

 

1 thought on “Os tablets, o Flash e a Educação

  1. Prof. Márcio Vilaça!
    Parabéns pelo post. É de grande valia este tipo de informação. Faz com que estejamos antenados nas novidades instantâneas da Era Digital.

Os comentários estão fechados.