Design

Softwares gratuitos para criação de sites – webdesign e programação

Procurando algum software gratuito para fazer um site ou para editar arquivos HTML, PHP, CSS….?

Algumas dicas de programas gratuitos:

KompoZerhttp://kompozer.net/

NetBeanshttp://netbeans.org/

NotePad ++ – http://notepad-plus-plus.org/

WebMatrixhttp://www.microsoft.com/web/webmatrix/

WebPage Starter Editionhttp://www.serif.com/web-design-software/

 

As características e potencialidades são diferenciadas. Por isso, visitar os sites é importante para verificar qual o mais adequado à sua necessidade.  O KompoZer, por exemplo, permite criar páginas visualmente em HTML – editor wysiwyg. O NetBeans é interessante para programadores em diferentes linguagens.

O WebMatrix, da Microsoft, oferece um instalador de aplicativos, que pode ser muito útil para testar programas como o Joomla e o WordPress. Vídeos podem ser encontrados para entender como o programa funciona.

O programa da Serif, o WebPage, é muito simples para criação visual de sites em drag-and-drop. Há uma versão bem mais completa e rica que pode ser comprada no site da empresa, geralemente com desconto para quem usa a versão gratuita.

Webdesigner e webmaster

Houve um tempo em que era comum encontrar as palavras webdesigner e webmaster em algum lugar do site, mais comumente no rodapé. Em muitos casos, apenas o webmaster era mencionado. Hoje o mais comum é encontrar referências ao webdesigner. E o webmaster, onde foi parar?

É fácil perceber que o webdesigner era o designer de páginas da internet. Logo, ele era o desenhista da página, responsável pela sua aparência. O webdesigner basicamente usava html, css, javascript e animações em Flash para desenhar os sites.

E o webmaster? Primeiramente, é bom dizer que muitas vezes a palavra era usada de forma genérica, significando também webdesigner. No entanto, muitas vezes, especialmente quando as duas palavras apareciam, o webmaster era a pessoa responsável pela programação do site (em php, asp, asp.net, jsp, por exemplo), pela sua atualização e pela manutenção funcional do site. Quando uma única pessoa “fazia tudo” o comum era que esta pessoa fosse chamada de webmaster.

Se o webdesigner era o designer/desenhista da web, o webmaster era o mestre da web, muitas vezes um faz-tudo. Outro termo que passou a ser empregado, de forma mais sofisticada, era o web developer. Este era o desenvolvedor do site, capaz de programar funções avançadas no site, criar e administrar bancos de dados e desenvolver aplicações complexas para a internet.

Hospedagem gratuita de sites – fatores a considerar II

Dando continuidade ao post anterior…

1 – Endereço de domínio – o endereço de domínio é muito importante. Ele deve ser de fáceis memorização e digitação. Serviços gratuitos de hospedagem geralmente não aceitam domínios registrados em órgãos responsáveis(domínios pessoais ou empresariais). Geralmente o endereço fica em dos seguintes formatos.

www.nomedoseusite.nomedoprovedor.com   ou  www..nomedoprovedor.com/nomedoseusite

Fica fácil ver que a digitação e a memorização tendem a ser mais difíceis que www.nomedoseusite.com .  

O custo médio de um registro de domínio está por volta de R$ 30,00 por ano. Anualmente o domínio precisa ser renovado. Caso não seja renovado, após certo tempo ele estará disponível novamente para que outra pessoa o registre.

2- Linguagens dinâmicas – Geralmente os provedores gratuitos não aceitam linguagens dinãmicas (php, por exemplo). O suporte básico é html, CSS, Flash e Javascript. Não é possível instalar por exemplo sistemas CMS. Não é possível usar bancos de dados. Linguagens dinâmicas são fundamentais para aplicações interativas complexas, acesso a bancos de dados, sistemas variados, programação baseada no servidor. Em síntese, as possibilidades são limitadas.

3- Termos de uso – Por ser um serviço gratuito, o serviço tende a ter “liberdade” para mudar os termos, reduzir ou ampliar espaços e recursos, limitar conteúdos, inserir propagandas.  Se os Termos de Uso sofrerem alterações o seu site pode ficar “inacessível” até que você aceite os novos termos.

Em síntese, é necessário avaliar até que ponto uma hospedagem gratuita pode ser recomendada ou suficiente para o tipo de site que você pretende ter ou tem.

Um risco é o serviço ser extinto e você perder todo o seu trabalho e seus conteúdos.

Hospedagem gratuita de sites – fatores a considerar

O desejo de estar presente online é muito forte. Diversos fatores que colaboram para os sucessos de redes sociais e serviços web, tais como Orkut, Twitter,YouTube Facebook, Blogspot… A facilidade de criação de perfis ou contas ajuda a atrair usuários para estes serviços. Examinar vantagens e motivos para sucesso destes serviços não é uma tarefa difícil: variedade de recursos, simplicidade de uso, abrangência de ação e “custo zero.” Na verdade, a gratuidade é um pouco relativa. Afinal, é difícil imaginar alguém investindo milhões em tecnologia apenas para oferecer serviços de graça. Em geral, há interesses comerciais, mais ou menos visíveis ao usuário final. O grande patrocinador de muitos serviços gratuitos na web é a publicidade, implícita ou explícita, para a própria marca/empresa ou para terceiros. Em alguns casos a publicidade fica evidente. Em outros, a questão é mais sutil.

O meu foco aqui é a hospedagem gratuita de sites. Há serviços que oferecem hospedagem gratuita de sites. Entre estes casos, há os gratuitos abertos ( “quase” qualquer pessoa pode ter) e os gratuitos fechados ( por exemplo, apenas para clientes de um provedor, empresa ou algo do tipo). Este tipo de hospedagem já fez muito sucesso. Hoje, visualmente a situação parece ser um pouco diferente. O caso de “hospedagem gratuita” mais visível são as hospedagens/serviços de blogs. A principal vantagem, é claro, é o “custo zero”.

Há, no entanto, algumas questões a considerar para avaliar até que ponto a gratuidade vale a pena, com base nos recursos e nas limitações destes serviços.  Entre os fatores a considerar destacam-se:

1) Endereço de Domínio – um domínio fácil de ser digitado e memorizado é fundamental

2) Recursos, facilidade e flexibilidade de design – alguns serviços usam templates básicos ou construtores de sites limitados

3) Espaço de uso – a necessidade dependerá do tipo de sites, de suas características e da frequência de atualização

4) Recursos disponíveis

5) Suporte (ou não) a linguagens dinâmicas (PHP e ASP.net, por exemplo) e banco de dados ( MySQL, por exemplo)

6) Recursos de backup, importação, exportação, restauração…  – imagine que um dia você pode querer transferir seu site para outro provedor. Já imaginou não conseguir fazer backup ou exportação? O site ou blog poderia ficar “preso” ao serviço.

7)  Restrições de uso – nunca deixe de ler com calma os termos e/ou condições de uso

8 ) Termos de uso – direitos e deveres

9) Publicidade inserida pelo serviço – geralmente o ususário não pode controlar ou gerenciar isto. Meu primeiro site foi gratuito e visitantes não entendiam as publicidades, até por não terem relação com o foco do site.

Entre outros …

O objetivo deste e de alguns posts futuros é ajudar a identificar e refletir sobre possíveis vantagens e desvantagens de serviços gratuitos de hospedagem de sites e blogs, com base nas necessidades do usuário. 

O fato é que, principalmente nesta era de Web 2.0, há uma grande variedade de serviços e produtos gratuitos que, como tudo na vida, pode ter vantagens e desvantagens. Pesquise, por exemplo, temas gratis, templates gratis, free themes, free templates. A quantidade de resultados é surpeendente. Logicamente, há muita propaganda falsa ou ambígua sobre a gratuidade. Por isso, é sempre bom examinar os textos, termos de usos, restrições com muito cuidado para evitar dores de cabeça ou perda de tempo. Em alguns casos, vale o ditado que diz que “o barato pode custar caro“.

Verifique os post sobre como escolher um provedor de hospedagem, nas categorias internet e tecnologia.

Webdesign – dicas de livros de design para web

Gostaria de ter um site? Curiosidades sobre internet? Como hospedar um site? Estes temas são tratados no Ensino Atual. Um rápido passeio pelas nossas categorias no menu lateral ajudará a encontrar conteúdos sobre internet e tecnologia.

Para aqueles que gostam de internet e têm ou pretendem ter seu próprio site, sugiro alguns livros de webdesign. São livros com linguagem simples que ajudam a entender como funcionam sites, como planejá-los e, lógico, princípios de design, usabilidade e desenvolvimento para web. Em posts futuros, tratarei de alguns princípios de design para web. Conhecimentos desta natureza apresentam várias útilidades, até mesmo para elaboração de materiais didáticos, design impresso, uso de serviços web e redes sociais. 

Exemplos de dúvidas comuns:

Quais as diferenças entre gif e jpeg? ; O que é usabilidade? ; O que pode evitar que um site fique lento? ; Há diferenças entre leitura na tela do monitor e no papel? O que é necessário para criar um site simples?; Webdesigner ou webmaster?  O que é arquitetura de informação? O que é design de interação? Como planejar menus e interfaces de navegação?

Algumas sugestões:

Webdesign para não-designers – Robin Williams & John Tollet – Editora Ciência Moderna

Design para a internet – projetando a experiência perfeita – Felipe Memória – Campus

Use a cabeça Webdesign – de Ethan Watrall & Jeff Siatro – O’ Reilly/Altabooks

Princípios do web design maravilhoso – Jason Beaird – Altabools

Webdesign: teoria e prática –  Danielle Damasceno – Visual Books

Design para Webdesigers: princípios de design para a web – Wellington Carrion – Brasport

Volte sempre e divulgue o Ensino Atual.

Design e hospedagem de sites: Introdução

Muitas pessoas gostariam de ter seus sites pessoais ou profissionais ( especialmente professores, consultores e profissionais liberais). No entanto, muitas dúvidas dificultam a criação e a hospedagem de sites. Desconhecer certos princípios gera a equivocada “solenização” do site. Como resultado, o interessado no site desiste por considerar a criação do site algo muito complexo e caro, o que pode não ser verdade em muitos casos.

No caso da Educação, há muitos benefícios possíveis para que os professores tenham os seus sites. Nele, professores podem oferecer links, disponibilizar materiais didáticos, propor atividades, interagir com outros professores, entre muitas outras possibilidades.

Este fato fica evidente nos Portais desenvolvidos por instituições de ensino, especialmente universidades. Professores e alunos encontram “dentro” deles – não acessível e visível à maioria dos visitantes – formas diferentes de interação com o professor e com os conteúdos da disciplinas, em Educação a Distância e em educação presencial.

Inicio com este post algumas discussões sobre o desenvolvimento e a hospedagem de sites. O objetivo é posibiiltar que o usuário entenda melhor aspectos de hospedagem e o design de um site, o que consequentemente possibilitará melhor tomada de decisões.

A questão que assusta muitas vezes é o custo de desenvolvimento, hospedagem e manutenção.  Este custo pode ser menor ou, pelo menos, mais consciente, se o interessado em ter o site tiver alguns conhecimentos sobre as formas de sites e hospedagem.  Isto logicamente contribui para a tomada de decisão e para a verificação de custo.

Além disso, contratar serviços de hospedagem sem planejamento pode trazer dor de cabeça e custos desnecessários.

Algumas questões que serão abordadas em posts futuros são:

  • Registro de domínios
  • Design e desenvolvimento de site
  • Hospedagem
  • Linguagens de programação
  • Blog e CMS ( Content Management System – Sistemas de administração de conteúdos)
  • Serviços gratuitos

Os posts não seguirão uma ordem específica e não devem ser entendidos como capítulos.

Muitas questões abordadas serão dúvidas, curiosidade e perguntas de colegas que pretendem ter um site.

Go to Top